28 / 12 / 2016
CREMERJ repudia fechamento do HEVMC
Como resultado da falta de verba para as unidades estaduais de saúde, o Hospital Estadual Vereador Melchiades Calazans (HEVMC), em Nilópolis, corre o risco de fechamento. O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ) repudia a decisão de fechamento da unidade, já que o HEVMC é o principal hospital de Nilópolis e um dos poucos da Baixada Fluminense, região com mais de 3 milhões de habitantes e que possui uma demanda de atendimentos muito superior à capacidade oferecida pela rede pública.
 
Segundo a direção do hospital, foi informado extraoficialmente pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-RJ) que a unidade seria desativada até a sexta-feira, 30. A versão oficial da SES é a de que o hospital passará por uma readequação e será reaberto como Hospital Estadual de Traumato-Ortopedia.
 
O CREMERJ acredita que a população de Nilópolis e arredores ficaria desassistida caso o perfil de atendimento fosse alterado. O que de fato já vem ocorrendo, já que exames e cirurgias foram suspensos e pacientes estão sendo transferidos. 

"A desativação do hospital trará inúmeros problemas para a população, além de todos os médicos e demais profissionais que estão vivendo um clima de instabilidade, sem nenhuma garantia. A Baixada Fluminense já é uma região com falta de leitos e unidades de saúde no geral, por isso o Cremerj é completamente contra o fechamento da unidade", afirma o presidente do CREMERJ, Pablo Vazquez. Segundo informado pela direção, médicos e outros profissionais de saúde do hospital em Nilópolis ainda não receberam os vencimentos referentes ao mês de novembro,  nem o 13º salário.  

Fontes de divulgação da SES