12 / 01 / 2017
Iecac recebe abraço simbólico de médicos e funcionários
Cerca de 70 pessoas, entre médicos, corpo clínico, funcionários, representantes de sociedades de especialidade e pacientes realizaram nesta quarta-feira, 11, um abraço simbólico ao Instituto Estadual de Cardiologia Aloysio de Castro (Iecac). O ato foi um pedido de ajuda às autoridades, após uma série de denúncias sobre falta de insumos básicos, atrasos nos salários e falta de medicamentos.
 
Presente no ato, o presidente do CREMERJ, Pablo Vazquez, frisou a importância da união da categoria médica e da população em prol de uma saúde de qualidade. “Quero enfatizar que a luta pelo Iecac é uma batalha pela democracia no nosso país, pois não existe democracia sem saúde. O governo está tentando tirar o direito de acesso ao serviço, o que é um crime. O CREMERJ se solidariza e está nessa luta. Todas as deficiências e atitudes arbitrárias que estiverem ocorrendo nas unidades devem ser encaminhadas ao CRM para podermos tomar providências cabíveis”, enfatizou Pablo.
 
Segundo a presidente do corpo clínico do Iecac, Francisca Bottino, a unidade vem perdendo a referência em cardiologia e na realização de cirurgias de alta complexidade devido ao déficit de medicamentos e demais recursos. “De alguns anos para cá, o Iecac vem sofrendo com a falta constante de insumos, o que gera muitas dificuldades nos procedimentos e aumenta casos de infecções que não podemos estancar. Já chegamos ao ponto de não dar banho nos doentes, porque não tinha sabonete, papel toalha e luvas. Estamos pedindo ajuda para que o Iecac volte a ser referência em cardiologia”, disse Francisca.
 
O diretor da Federação Nacional dos Médicos (Fenam) Jorge Darze também compareceu ao evento.