27 / 03 / 2017
CRM participa de Encontro de Angiologia e de Cirurgia Vascular
Organizado pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro (SBACV/RJ), o XXXI Encontro de Angiologia e Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro aconteceu entre os dias 23 e 25 de março, com a presença de representantes de diversas entidades médicas, de sociedades de especialidade e da saúde suplementar do país. 
 
O presidente do CREMERJ, Nelson Nahon, foi um dos moderadores do simpósio Frente aos Desafios da Saúde Suplementar e citou como principais problemas, a recente Instrução Normativa (IN) aplicada na Lei 13.003/2014, o fator de qualidade e a entrada dos planos de saúde populares.
 
“Nossa preocupação em relação à saúde suplementar é muito grande. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou uma IN que apresenta duas graves situações. A primeira é a diminuição do reajuste para os colegas que não responderem um extenso e supérfluo questionário, dito de qualidade. A outra é, segundo a ANS, sem acordo entre operadora e usuário, será aplicado um reajuste em cima do IPCA daquele ano. Porém, o IPCA atualmente está em torno de 5%, enquanto a inflação médica é de 12%. Isso resulta em uma situação favorável apenas para as operadoras. A possibilidade dos planos de saúde populares também nos preocupa. Na verdade, a intenção é fazer com que as empresas vendam mais planos populares para diminuir a pressão da população sobre o Sistema Único de Saúde (SUS). Nós sabemos que esses planos não vão resolver o problema, pois quando houver a necessidade de um atendimento mais complexo os pacientes serão encaminhados ao SUS”, alertou Nahon.
 
A mesa foi presidida por Marcio Meirelles, além de Nelson Nahon, Julio Cesar Peclat e Evandro Tinoco. Também participaram do debate, representantes da ANS, de operadoras de planos de saúde e da SBACV.
 
Membro da Câmara Técnica de Angiologia e Cirurgia Vascular do CREMERJ, Julio Cesar Peclat, salientou que a intenção do encontro é chegar a um entendimento no que se refere aos honorários médicos.
 
“A valorização do médico, hoje, é cada vez menor diante dos desafios do mercado de saúde suplementar. Acho que, em conjunto, poderemos mudar um pouco esse cenário. Entendemos as dificuldades de ambas as partes, mas nada como um diálogo de alto nível para tentar dar um passo à frente. Desde a minha gestão como presidente da SBCV-RJ, o CREMERJ vem fazendo um grande trabalho na saúde suplementar e isso nos aproximou muito. Essa parceria é importante para que possamos levar como unidade as propostas para as operadoras”, enfatizou Peclat.
 
Representando a ANS, Filipe Riani apresentou a missão institucional da entidade e citou a lei 13.003/2014. Sobre os honorários, Filipe ressaltou que a aplicação de reajuste sobre o IPCA, devido a não acordo entre as partes, tem sido pouco frequente. “Há uma tendência na própria manifestação dos prestadores de ampliação dos contratos”, disse.
 
A gerente da Golden Cross Valéria Azevedo, criticou a proposta do governo dos planos de saúde popular e apresentou um cenário atual da saúde suplementar no país. “O diálogo é a única forma de entender que os rumos só vão ser dados se houver um mínimo de confiabilidade e entendimento entre as partes”, concluiu Valéria.