16 / 05 / 2017
Reunião debate fornecimento da medicação contra tuberculose
O CREMERJ se reuniu, nessa terça-feira, 9, com a coordenadora da Câmara Técnica de Pneumologia do Conselho, Margareth Dalcolmo, e com o chefe do Centro de Referência Professor Hélio Fraga, da Fiocruz, Otávio Maia Porto, para discutir o fornecimento de medicamentos contra a tuberculose. Participaram da reunião pelo CFM e pelo CREMERJ os conselheiros Sidnei Ferreira e Pablo Vazquez, respectivamente.

Na ocasião, a coordenadora da câmara técnica ressaltou que o governo retomou o processo de compra do medicamento etambutol pela Fundação para Remédio Popular (Furp) e a distribuição para os hospitais e postos de saúde está normalizada.

Margareth lembra que existem no mercado outros fármacos contra a tuberculose e que o Brasil foi um dos países a testar a bedaquilina, nova droga com eficácia comprovada para o tratamento da doença. Ela frisou que o medicamento está registrado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e que seu uso compassionado foi autorizado, porém ele permanece sem perspectivas de incorporação pelo Ministério da Saúde no tratamento dos pacientes.

Já sobre o risco de faltar vacina BCG, o presidente da Fundação Ataulpho de Paiva (FAP), Germano Gerhardt Filho, esclareceu que as atividades da fábrica da Fundação, em São Cristovão, foram retomadas, faltando somente um teste no fim da produção das vacinas BCG e imuno BCG, a ser realizado ainda este mês, para o retorno da sua distribuição.

De acordo com ele, os fiscais da Anvisa têm visitado a unidade e as não conformidades estão sendo resolvidas. Germano ainda frisou que o Ministério da Saúde possui estoque das vacinas até novembro.  

Em relação à liberação do recurso do Fundo Nacional de Saúde para a compra de equipamentos para a nova fábrica da FAP, em Duque de Caxias, Germano afirmou que foi feito um empréstimo com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a aquisição de material e no começo de 2018 a fábrica deverá ser inaugurada.

Convidados, os representantes do Programa Nacional de Imunização (PNI) e da Anvisa não compareceram ao encontro.