30 / 06 / 2017
Comando Unificado de Saúde aprova carta aberta
O Comando Unificado de Saúde aprovou nessa quinta-feira, 29, uma carta aberta sobre o desmonte dos hospitais federais, estaduais e municipais do Rio de Janeiro. O texto, que é direcionado à população e aos profissionais de Saúde, tem como objetivo chamar atenção sobre o caos se encontram os hospitais públicos da rede federal localizados no Estado. 

O vice-presidente do CREMERJ, Renato Graça, abriu a reunião relembrando as resoluções da primeira reunião do Comando Unificado de Saúde, que aconteceu no dia 8 de junho, e os temas a abordados na carta aberta. Em seguida, o diretor do CRM Gil Simões deu informes sobre a situação atual dos hospitais federais.

Entre os assuntos abordados estavam o fechamento do serviço de cirurgia vascular do Hospital de Ipanema; a suspensão do atendimento de cardiologia, ortopedia e cirurgia vascular no Hospital da Lagoa; a descontinuidade do atendimento da emergência do Hospital de Bonsucesso e a demissão do diretor do serviço. Simões também falou sobre a mobilização do Hospital Cardoso Cardoso Fontes.

O diretor do Conselho Federal de Medicina (CFM) Sidnei Ferreira destacou ações da entidade. De acordo com ele, o CFM preparou um manifesto, assinado por todos os conselhos, contra a situação precária das unidades federais. A entidade também pretende denunciar a situação da Saúde brasileira ao Comitê Internacional de Direitos Humanos e agendar reunião com representantes do Ministério da Saúde. Sidnei Ferreira ainda adiantou que os departamentos jurídicos de todos os CRMs estão elaborando ações conjuntas em prol da saúde pública de cada Estado.

Em seguida, os representantes dos conselhos presentes atualizaram seus posicionamentos sobre as ações do Comando Unificado de Saúde e complementaram informações sobre os problemas da rede federal, estadual e municipal. Destacaram-se, entre os assuntos levantados, a suspensão do teste do pezinho no Estado, a precarização da assistência no Rio Imagem, a redução de atendimento, a fila para cirurgias na rede federal e a deficiência do sistema de regulação.

A carta aprovada está disponível no site do CREMERJ.  

Também participaram da reunião os diretores Érika Reis e Serafim Borges e o conselheiro Aloísio Tibiriçá.
 
Compareceram a reunião representantes das seguintes entidades: 

Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro (Coren-RJ)
Conselho Regional de Farmácia do Rio de Janeiro (CRF-RJ)
Conselho Regional de Nutricionistas – 4ª Região (CRN-4)
Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro (CRP-RJ)
Conselho Federal de Medicina (CFM)
Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj)
Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro (CRO-RJ)
Associação Médica Fluminense (AMF)
Escola Nacional dos Farmacêuticos e a Federação Nacional dos Farmacêuticos