07 / 07 / 2017
CREMERJ confirma redução de médicos e serviços no HEGV
O CREMERJ confirma que o Hospital Estadual Getúlio Vargas, localizado na Penha, teve uma redução significativa no número de médicos e que serviços como de urologia e proctologia foram fechados. Por conta disso, cirurgias e outros procedimentos foram cancelados na unidade. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), esses pacientes seriam encaminhados para o Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe), ligado à Uerj, que teve uma drástica diminuição de leitos – de 600 para 150 – e que enfrenta grave crise financeira.

Mais uma vez, o Governo Estadual, por meio da sua Secretaria de Saúde, corta verbas de um de seus hospitais, fecha serviços e causa desassistência à população fluminense. Atualmente, o Estado investe menos de 5% na Saúde, enquanto deveria dedicar 12% para o setor, que foi até o momento o mais atingido pelo corte de verbas.

O CREMERJ reitera que é totalmente contra o fechamento de serviços e que a redução de médicos afeta diretamente o atendimento à população. A entidade informa que acionará o Ministério Público e a Defensoria Pública para que medidas cabíveis sejam tomadas.

“A crise na saúde vive seu ápice. O Pedro Ernesto não tem condições de receber esses pacientes e nossa preocupação é que eles fiquem desassistidos. O Getúlio Vargas é referência de atendimento, não só na emergência, mas também nos setores que foram desativados. As pessoas estão ficando sem opção de atendimento e isso é inaceitável”, afirma o presidente do CREMERJ, Nelson Nahon.