13 / 07 / 2017
Andaraí promove assembleia contra desmonte da rede federal

O presidente do CREMERJ, Nelson Nahon, participou da assembleia em prol da ampliação da Frente Nacional em Defesa dos Institutos e Hospitais Federais do Rio de Janeiro, realizada no Hospital Federal do Andaraí, nessa segunda-feira, 10. Representantes de diversas categorias de saúde, partidos políticos e entidades sindicais lotaram o auditório da unidade.

 

Em sua fala, Nahon ressaltou a importância da unificação da luta contra o desmonte das unidades federais de saúde do Rio de Janeiro. “Realizamos todo mês, em Brasília, reunião com todos os presidentes de Conselhos Regionais de Medicina. Em nosso último encontro foi assinado, por todas as regionais do Brasil, um manifesto nacional do Conselho Federal de Medicina, reconhecendo que o Rio de Janeiro vem sendo o Estado mais afetado pela grave crise na saúde brasileira. É muito importante manter essa unidade e criar novas formas de luta, indo às ruas para mobilizar a população e as autoridades, porque o que está acontecendo é um verdadeiro desmonte da rede federal. É necessária uma mobilização de todas as entidades, no sentido de não permitirmos o fechamento de nenhum serviço em nenhum hospital”, enfatizou o presidente do CRM.

 

Representante do corpo clínico do Hospital Federal do Andaraí, Sidney Franklin de Sá, falou sobre o principal objetivo do encontro. “Essa assembleia está sendo o lançamento público de uma Frente, criada por diversas entidades, movimentos de corpo clínico, associações e sindicatos, a partir do momento em que os hospitais foram submetidos a um evidente desmonte, com demissão de médicos, não renovação de contratos de trabalho, falta de insumos e corte orçamentário. O Andaraí perdeu a enfermaria de cardiologia, não consegue internar novos pacientes na pneumologia, no serviço de mastologia também tem médicos demitidos, assim como nos setores de endoscopia e Emergência. O nosso Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), tradicional e referência no Rio de Janeiro, também apresenta déficit de profissionais, correndo o risco de fechar”, desabafou Sidney.

 

Segundo o diretor do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (SinMed/RJ) e presidente do Centro de Estudos do Hospital Federal de Bonsucesso, Francisco Oliveira, a Frente Nacional em Defesa dos Institutos e Hospitais Federais do Rio de Janeiro é um movimento direcionado a mobilizar todas as categorias de saúde, não apenas médicos e enfermeiros, no sentido de alertar para o desmonte na saúde pública.

“Quem sofre mais é o Rio de Janeiro por contar com nove unidades federais. Não podemos perder a instituição pública no atendimento à saúde. Não temos mais verbas para comprar insumos e medicamentos, principalmente os oncológicos, que são os mais caros e necessitam de verba federal”, disse Francisco.

 

Após os discursos e informes dos representantes das entidades presentes na assembleia, foi divulgada a data de uma nova reunião da Frente Nacional para o dia 17 de julho, na sede do SinMed/RJ. A intenção é dar continuidade às estratégias de divulgação e demais iniciativas para o fortalecimento do movimento.