24 / 08 / 2017
CREMERJ participa de reunião da Frente dos Hospitais Federais

O conselheiro do CREMERJ Pablo Vazquez participou nessa terça-feira, 23, de plenária promovida pela Frente em Defesa dos Institutos e Hospitais Federais do Rio de Janeiro, na sede da Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas). O encontro teve como objetivo atualizar a situação das unidades e definir os novos rumos do movimento.

Foi deliberado um calendário de ações para ser cumprido nos próximos dias. Entre elas estão: encontro com representantes do Ministério Público do Trabalho (MPT) e do Ministério Público Federal (MPF) para fomentar a necessidade da manutenção dos contratos temporários; dar visibilidade às fiscalizações do CREMERJ e do Conselho Federal de Serviço Social do Rio de Janeiro (Cress-RJ) ocorridas nos hospitais federais; realizar a plenária da Saúde, na próxima segunda-feira, 28, às 18h, no Sindicato dos Médicos do Rio Janeiro (Sinmed-RJ); promover ato público em frente ao Hospital Federal dos Servidores do Estado, na próxima terça-feira, 29, às 10h; e fazer ato unificado com o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ).

Durante a plenária, os integrantes da Frente fizeram uma avaliação da reunião com o diretor do Departamento de Gestão Hospitalar (DGH-RJ), Marcus Vinícius Fernandes Dias, que aconteceu também nesta terça-feira. Foi relatado que houve avanço quanto à renovação dos contratos temporários. O diretor da DGH-RJ teria informado que teve um encontro com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, e que ele entendeu a renovação como uma medida necessária, mas destacou que é preciso um embasamento legal, já que os contratos vencem em 31 de agosto.

Segundo Cintia Teixeira, membro da executiva Estadual da CSP-Conlutas, a Ação Civil Pública impetrada pelo CREMERJ e pelo Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro (Coren-RJ), na última semana, que objetiva a renovação dos contratos temporários nos hospitais federais do Rio, foi muito importante para o avanço nas negociações sobre a renovação dos contratos.

“O processo teve grande visibilidade junto aos gestores do Ministério da Saúde e reforçou a necessidade de que essa questão seja resolvida o mais rápido possível. A Frente tem que seguir fortalecendo a resistência contra o desmonte do Sistema Único de Saúde (SUS) e em defesa de uma saúde de qualidade”, declarou.

Pablo Vazquez salientou a importância das ações de mobilização e reiterou o apoio do CREMERJ ao movimento. “A Frente dos Hospitais Federais é um grande instrumento de luta para salvaguardar a manutenção das nossas unidades, que estão ameaçadas pelo fim dos contratos e pela possibilidade de privatização. O CREMERJ está disposto a reunir o máximo de esforços nessa luta em defesa da Saúde do povo brasileiro e pela liberdade democrática, direitos não podem ser retirados”, disse.