19 / 09 / 2017
Iecac recebe CREMERJ para debater cirurgia cardíaca pediátrica

Os diretores do CREMERJ Serafim Borges e Ana Maria Cabral, que são membros do Comitê de Monitoramento dos Serviços de Cirurgia Cardíaca Pediátrica do CREMERJ, realizaram uma visita ao Instituto Estadual de Cardiologia Aloysio de Castro (Iecac), nessa terça-feira, 19, para conhecer o serviço de pediatria da unidade. Também participaram do encontro o diretor da Fundação Saúde, João Velloso; o diretor do Iecac, Rossi Murillo; a diretora técnica da unidade, Maria Eulália Pfeiffer; as pediatras Ana Beatriz Regal e Lilian Studart; além dos representantes da Comissão de Fiscalização do Conselho.

Serafim Borges iniciou a reunião falando sobre a criação do comitê. “Após ter conhecimento da enorme fila de espera para cirurgias cardíacas pediátricas, o CREMERJ criou o Comitê de Monitoramento e convocou todos os gestores da área para entender o problema. A partir daí, montamos e apresentamos um projeto visando ao fortalecimento do setor público e a um acompanhamento médico adequado às crianças cardiopatas. Entre outras propostas, sugerimos a criação de um setor de reabilitação cardíaca dentro do Iecac, pois acreditamos que a unidade tem condições de executar esse trabalho”, explicou Serafim.

Diretor da Fundação Saúde, que administra o hospital, João Velloso revelou que a Secretaria Estadual de Saúde (SES) optou por aumentar o número de unidades de saúde administradas pela Fundação sem adequar o quantitativo de funcionários. “Agradeço ao CRM a iniciativa de reuniões como esta, para que possamos levar os problemas ao secretário de saúde e reclamar a implantação de uma política de Estado adequada para a saúde”, admitiu.

A diretora técnica do hospital, Maria Eulália, também reforçou a urgência da realização de concurso público e de maior investimento na unidade. “Há urgência de realização de concurso público para contratação de recursos humanos, além da falta de insumos. A demanda de crianças e a taxa de mortalidade infantil são altas. Temos feito várias reuniões no CRM e na Defensoria Pública, por isso acredito que, com a união entre as instituições, conseguiremos muitos avanços. Não podemos perder as esperanças de que a situação vai melhorar”, disse ela.

A Comissão de Fiscalização do CRM fez um detalhado questionário sobre os déficits de recursos humanos, quantidade de equipamentos, insumos, leitos ativos e pacientes internados no setor pediátrico para seu amplo conhecimento de todas as carências da unidade e tomar as providências necessárias.