Ministério da Saúde amplia público-alvo de seis vacinas
07 / 03 / 2017
Para a campanha de vacinação deste ano, o Ministério da Saúde decidiu ampliar o público-alvo de seis vacinas. A faixa etária de quem vai receber as doses de tríplice viral, tetra viral, dTpa adulto, HPV, meningocócica C e  hepatite A será expandida.

Hepatite A

A vacina hepatite A passa a ser disponibilizada para crianças até 5 anos de idade. Antes, a idade máxima era até 2 anos. Além disso, estudos também têm demonstrado que, em cerca de 95% dos vacinados, há produção de anticorpos em níveis protetores quatro semanas após a vacinação com uma dose.

Tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) 

Em 2017, para as crianças, há ampliação da oferta da vacina tetra viral, passando a ser administrada de 15 meses até quatro anos de idade. Antes era administrada na faixa etária de 15 meses a menor de dois anos de idade. O Programa Nacional de Imunizações (PNI) recomenda a vacinação das crianças com a tríplice viral (sarampo, Caxumba e rubéola) aos 12 meses de idade (primeira dose) e aos 15 meses com a tetra viral (segunda dose com a varicela). 

HPV 

Também será ofertada, a partir deste ano, a vacina HPV para meninos. Desde 2014, a vacina é oferecida para meninas de 9 a 13 anos. Agora, o público-alvo incluirá também meninas de 14 anos. Ainda para neste ano, além dos meninos, a vacina também será oferecida para homens vivendo com HIV e Aids, entre 9 e 26 anos de idade, e para imunodeprimidos, como transplantados e pacientes oncológicos. Desde 2015, as mulheres (9 e 26 anos) que vivem com HIV/Aids recebem a vacina. 

Meningocócica C

O Ministério da Saúde também passou a disponibilizar a vacina meningocócica C (conjugada) para adolescentes de 12 a 13 anos. A faixa-etária será ampliada, gradativamente, até 2020, quando serão incluídos crianças e adolescentes com 9 anos até 13 anos.

A meta é vacinar 80% do público-alvo, formado por 7,2 milhões de adolescentes. Além de proporcionar proteção aos adolescentes, a ampliação vai proteger indiretamente as pessoas não vacinadas. O esquema vacinal para esse público será de um reforço ou uma dose única, conforme a situação vacinal. 

dTpa adulto 

A vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) do tipo adulto passa a ser recomendada para as gestantes a partir da 20ª semana de gestação. As mulheres que não se vacinaram durante a gestação devem receber uma dose de dTpa no puerpério. Com essa medida, o Ministério da Saúde busca proteger os bebês contra a coqueluche com os anticorpos transferidos da mãe para o feto. 

Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) 

Outra alteração se deu para a vacina tríplice viral, com a introdução da segunda dose para a população de 20 a 29 anos de idade. Anteriormente, a segunda dose era administrada até os 19 anos de idade. Com esta mudança, a imunização vai atingir também adolescentes e adultos jovens entre os quais tem aumentado os casos de caxumba nessa faixa etária.

A adoção do esquema de duas doses para esse grupo contribuirá na redução de casos da doença. Deste modo, duas doses contra sarampo, caxumba e rubéola passam a ser disponibilizadas para pessoas de 12 meses até 29 anos de idade. Para os adultos de 30 a 49 anos permanece a indicação de apenas uma dose de tríplice viral.

Vacinas

Atualmente, são ofertadas gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS) 19 vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), beneficiando todas as faixas etárias. 

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde